… Elsa Pena

Culturismo-pt: Olá, Elsa! 
Obrigado por teres aceitado o convite de responder a estas perguntas. 
Nervosa por seres a primeira entrevistada?

Elsa Pena: Nervosa não; orgulhosa pela oportunidade.

Culturismo-pt: Ora, o orgulho é todo meu!
Comecemos pela pergunta cliché: há quanto tempo começaste a treinar?

Elsa Pena: Treino desde os meus 20 anos de idade. Se fizermos as contas, já lá vão uns aninhos. Sempre gostei de me sentir bem e, para mim, o ginásio não é só uma questão de “espelho”. É o meu escape, a minha terapia, onde trabalho para me superar dia após dia. 

Culturismo-pt: E porque começaste a treinar? Como começou essa paixão?

Elsa Pena: O desporto sempre esteve presente na minha infância. Passei por muitas actividades, desde corrida, ballet, karaté, entre outras… Sempre fui muito competitiva, assim como, sempre gostei de me lançar a um desafio. Entrei no primeiro ginásio aos 20 anos, onde acabei por conhecer o meu marido, que foi um dos pioneiros na área de ginásios da zona de Lisboa, e até hoje partilhamos a mesma paixão, os mesmos sonhos, o mesmo estilo de vida.

Culturismo-pt: Então, sempre tiveste uma alimentação saudável ou apenas pensaste nisso após começares a treinar ginásio? 

Elsa Pena: Não, sempre tive algum cuidado com a alimentação. Desde pequena que me foi incutida uma alimentação saudável pelos meus pais. Mas, o facto é que o treino leva a praticar uma alimentação saudável. De outra maneira, não faz sentido. 

Culturismo-pt: Quando decidiste começar a competir? Foi um impulso que sentiste ou demoraste algum tempo até arriscares subir ao palco?

Elsa Pena: Foi um impulso. (Risos) Assim que tive conhecimento da categoria Bikini Fitness, no final de 2012 – na altura uma modalidade recente em Portugal, achei que era a categoria perfeita para mim. Senti que era capaz e lancei-me ao desafio! Comecei a preparação em Março de 2013, para subir a palco em Novembro do mesmo ano, na Taça de Portugal. 

Culturismo-pt: Como é que a competição influencia o teu dia-a-dia? Normalmente, quando a dieta aperta, os atletas tendem a ficar mais sensíveis. Isso também te acontece? 

Elsa Pena: Sinceramente, não, em nada! Sou mãe e tenho todas as responsabilidades inerentes de uma família. Como tal, cozinho todos os dias para eles coisas boas desde bolos, lasanhas, etc, etc… Não me afecta em nada. A escolha é minha; eu é que estou em dieta e confesso, como adoro cozinhar, vê-los a comer deixa-me muito feliz e serve como terapia, porque faço por amor. Fico mais sensível naquelas alturas do mês que nós, mulheres, conhecemos tão bem do que propriamente por estar em preparação.

Culturismo-pt: Já que és tu que cozinhas, “obrigas” o teu marido e os teus filhos a comerem saudável como tu? Ou seja, preparas os cozinhados para eles como preparas para ti – sem sal, sem açúcar, etc? 

Elsa Pena: (Risos) Quando estou em preparação tenho que fazer sempre a minha dieta à parte. Mas, faço tudo para eles de forma saudável! O sal é essencial qb; uso sal rosa ou sal marinho. Em relação ao açúcar, só uso açúcar mascavado ou açúcar amarelo… Tento usar produtos biológicos e o mais saudável possível. 

Culturismo-pt: Quando eles comem algo pouco saudável, a tua veia de atleta sente necessidade de avisá-los e repreendê-los? 

Elsa Pena: Não sou a favor do “fast-food” e confesso que me faz um pouco de confusão, embora comam muito, muito esporadicamente. Mas agora uma pizza… 

Culturismo-pt: Eu também sou a favor de pizza!

(Risos de ambas as partes) 

Culturismo-pt: Voltando de novo à competição: para seres aquela “bonequinha” em cima do palco, quanto tempo praticas?

Elsa Pena: Sem dúvida que quanto mais trabalhamos, mais sucessos temos. Vou partilhar contigo um pouco da minha experiência no Arnold Classic Europe. Como sabes, éramos 45 atletas em competição, na minha categoria. Quando cheguei à final, disse para o meu marido: “é agora ou nunca!” Fiz uma rotina completamente improvisada, ousada, arriscada, sem ter ensaiado uma única vez. E deu certo! Isto para dizer que há coisas que são inatas. Não implica que não trabalhe, antes pelo contrário, porque o objectivo é superar-me prova após prova e sem trabalho, sem dedicação, sem sacrifícios, não chegamos lá. Quanto ao tempo, dedico parte da minha vida. 

Culturismo-pt: Pode-se dizer que és naturalmente uma “bonequinha”?

Elsa Pena: (Risos) Pode-se dizer que sou naturalmente eu – Elsa Pena! 

Culturismo-pt: Como reagiram os teus familiares quando decidiste que ias competir? 

Elsa Pena: No início não percebiam a “necessidade” de competir e de me sujeitar a tantos sacrifícios. Como é óbvio, quando estamos em família as privações são muitas. Mas agora respeitam e ficam felizes com as minhas vitórias. 

Culturismo-pt: Quem é ou quem são os teus maiores apoios? 

Elsa Pena: O meu grande, grande apoio; o meu braço, perna, mão, tudo… É o meu marido! É quem luta ao meu lado, é quem vive os meus sonhos, sofre por mim… É tudo para mim. A minha família, o meu preparador Jose Maria Garcia, os meus patrocinadores, os meus amigos que fazem parte da minha família, os meus seguidores… Todos aqueles que me ajudam e lutam ao meu lado na conquista de um sonho e que tornam os meus dias cinzentos em dias coloridos. 

Culturismo-pt: Falando nos teus seguidores… Como te sentes com o facto de seres uma inspiração para as mulheres que estão dentro e fora da competição? 

Elsa Pena: Sinto que o objectivo está a ser cumprido, o que me deixa muito feliz. A mensagem que quero transmitir é que sou mulher, mãe, profissional, atleta, e é possível, sim – é possível sermos aquilo que quisermos, se abraçarmos a vida com paixão e sem medos. Assim como eu incentivo as pessoas, também me incentivam e motivam com as suas mensagens de apoio e carinho e toda a energia positiva. O que me leva a trabalhar para continuar a fazer mais e melhor. 

Culturismo-pt: Se só pudesses dar-lhes um conselho apenas, qual seria?

Elsa Pena: Que tudo é possível se acreditarmos! 

Culturismo-pt: Acreditas que nunca se deve desistir dos sonhos? 

Elsa Pena: Acredito que nunca devemos desistir daquilo que nos faz feliz. A vida é muito curta para não ser vivida. 

Culturismo-pt: Uma vez que a modalidade é bastante subjectiva e está-se sempre dependente dos gostos pessoais de quem ajuíza, alguma vez ficaste desiludida a ponto de pensar em desistir ou estás sempre com esse conselho em mente? 

Elsa Pena: Como é óbvio, nem sempre é possível ganhar porque a classificação não está nas nossas mãos. Só temos que dar o nosso melhor e apresentarmo-nos da melhor maneira possível. A classificação nem sempre é a que desejamos e já fiquei desiludida algumas vezes. Agora, ao ponto de desistir… Nunca! Antes pelo contrário; acabei por perceber com o tempo que nós nunca perdemos… Ou ganhamos ou aprendemos. 

Culturismo-pt: Inevitavelmente, nas provas internacionais, conheces outras pessoas que vão disputar o mesmo prémio que tu. A competição entre vocês ajuda a que também criem laços de amizade? 

Elsa Pena: Tenho a sorte, e o privilégio, de ter feito algumas amizades especiais ao longo deste percurso internacional. 

Culturismo-pt: Como é chegares a uma competição e partilhares o palco com pessoas que já conheces? 

Elsa Pena: Já competi com muitas atletas que para mim eram referência pelo seu percurso competitivo. Por isso, era um orgulho partilhar o mesmo palco com elas mas, sempre tentei não me deixar “intimidar” e estava ali para dar o meu melhor.

Culturismo-pt: Sentes que há diferença entre competir com pessoas conhecidas e competir com pessoas desconhecidas? 

Elsa Pena: A minha atitude em palco é sempre a mesma. Embora, quando estou a competir com atletas com “nome”; com outra “bagagem”, não é fácil… Tento que isso não interfira na minha prestação. 

Culturismo-pt: És uma das pessoas que melhor sabe qual é a sensação de ouvir o nome ser chamado para ocupar o 1º lugar no pódio. Consegues descrever essa sensação? 

Elsa Pena: (Risos) Não há palavras para descrever… Por vezes parece tão irreal. Como é possível?! Todas as provas em que saí com o título foram importantes para mim, mas há uma especial… Antes de iniciar este percurso, e para ter uma noção do que era a linha do Bikini Fitness, fui ao Arnold Classic Europe. Posso dizer-te: foi ali que sonhei; o início de tudo… Disse ao meu marido: “um dia eu vou estar ali!” O que é certo foi que não desisti até conseguir. Palavras para descrever… Obrigada, meu Deus. 

Culturismo-pt: Todo o teu historial invejável deu-te um poder que, nos dias que correm, são o sonho de muitos que se iniciam nas competições. Ouvi dizer que vais pedir o PRO-Card…

Elsa Pena: O pedido está feito. Está na hora de dar o tão ambicionado salto de viver o grande sonho enquanto a vida me permite; aproveitar enquanto posso. 

Culturismo-pt: Esse teu grande sonho fará de ti a primeira mulher a conseguir o PRO-Card para Portugal. “Eufórica” chega para descrever o que sentes? 

Elsa Pena: Eufórica, não… De coração cheio. Cheio de motivação e de muita felicidade. 

Culturismo-pt: Sinceramente, quando vais a palco, vais para ganhar ou apenas por diversão? 

Elsa Pena: Sou muito competitiva mas AMO o que faço. 

Culturismo-pt: Ou seja: competição saudável? 

Elsa Pena: (Risos) Sem dúvida! 

Culturismo-pt: Para finalizar, como é o interior da Elsa Pena? 

Elsa Pena: Sou sonhadora, lutadora e, o meu principal objectivo, é ser feliz e viver em paz. 

Culturismo-pt: Resta-me desejar-te a maior sorte do mundo para a nova fase da tua vida que aí vem e agradecer-te imenso por este tempinho que me disponibilizaste a responder a estas perguntas. Obrigado, Elsa!

Elsa Pena: Eu é que agradeço a TODA a família IFBB-Portugal; a tudo o que tem feito por mim. Tenho muito orgulho em fazer parte desta Família – desde sempre, e para sempre, IFBB-PORTUGAL. OBRIGADA!

Para seguir mais de perto o trabalho da Elsa Pena, ficam:
Facebook: https://m.facebook.com/elsapena2014/ 
Instagram: @elsapenabikinifitnessifbb

Texto: Dud@
Fotografia: NunoBaptista.com